« Here comes the Hurricane »

Harry é o furacão do mês de setembro, as suas estatísticas estrato-esféricas fazem-no entrar no lote dos melhores avançados mundiais. Sua elegância e seu físico atípico inspiram uma singular apresentação, um pouco à imagem da homenagem literária prestada por Bob Dylan ao pugilista « Hurricane » Carter, numa das suas canções.
Londres e o seu famoso « fog », uma atmosfera pesada e cheia de mistério, viu passar há cerca de dez anos uma brisa oriunda dos bairros leste de Walthamstow chegar às portas de White Hart Lane. Foi com 14 anos que Harry Edward Kane chegou ao Tottenham. O seu talento precoce e a sua capacidade física (1,88m) convidaram os Spurs à experimentação. O método foi simples e clássico : a colisão com os rudes defesas britânicos.
Aos 18 anos um empréstimo ao Leyton Orient da terceira divisão inglesa, passagens pelo Millwall e Leicester. então no Championship, pelo meio uma experiência na Premier Liga com a camisola do Norwich, fortaleceram o jovem Harry. A « brise» cresceu em força. Com o seu período de formação concluído a equipa técnica de André Villas Boas decidiu incorporá-lo definitivamente no plantel. As rajadas de vento intensificaram-se ao ponto de nascer o tal furacão. Harry Kane became Hurricane sob o comando de Mauricio Pochettino.
Com um total de 94 golos em três temporadas, o jovem Harry faz agora parte dos eleitos. À imagem de um Suarez, Lewandowski ou Falcão, ele domina doravente a arte fatal que lhe permite perceber antes dos adversários a química entre movimento, instinto e gesto perfeito, aquela assinatura magnífica capaz de inverter o equilíbrio do jogo, afundando alguns no desespero, levando os restantes ao júbilo.
Harry é o símbolo da gabada calma inglesa, a sóbria eficácia num estilo distinto, tão calmo no momento de executar. Se Doutor Harry não é adepto de fintas, nem gosta de procurar grandes espaços vazios, Mister Kane é um monstro de área.
Hurricane desenvolveu uma especialidade em vias de extinção no futebol moderno da era Guardiola: o remate de longa distância. Capaz de lançar mísseis de 30 metros, Kane demonstra fluidez e equilíbrio no momento do disparo.
Atraíndo a bola como um íman nos últimos metros, excelente no jogo aéreo, certeiro no remate com uma certa ambidestria em qualquer posição, o inglês é um ponta-de-lança letal. Muitas vezes ao primeiro toque e o resto do tempo com recepções orientadas, Kane encontra-se facilmente na melhor posição graças a uma grande inteligência de movimentos. O número de realizações em 2017 posiciona-o matematicamente ao nível de Cristiano Ronaldo ou de Lionel Messi.
Com somente 24 anos, raros são os avançados deste nível. Sendo o número « 9 » a espécie mais apetitosa do mercado, será difícil para os « Galos» de Tottenham travar a sua saída durante o próximo mercado, porque é obviamente complicado capturar o vento e impossível parar um furacão.
Em 1952, o grande « smog » de Londres abafou a cidade na obscuridade durante 5 dias. Uma catástrofe metaforicamente transponível ao estado da seleção inglesa desde o Mundial 1966, a única competição vencida da sua história. A equipa dos 3 Leões precisará na Rússia do furacão Kane como grande lufada de ar puro no nevoeiro espesso que a rodeia.