Vitória de Guimarães – Olympique de Marseille 1-0: Análise


O Vitória entrou melhor no jogo, utilizando bem as faixas para esticar a defesa adversária. O Marselha apostava no contra ataque com a velocidade de Sarr e Amavi nas laterais, os franceses iam melhorando pouco a pouco, explorando os espaços entre o meio campo e a defesa do Vitória com transições rápidas para encontrar Njié. O Guimarães defendia bem mas era pouco perigoso ofensivamente, abusava dos cruzamentos sem resultados satisfatórios.
O Marselha decidiu modificar o seu jogo para ter mais posse no meio campo, à espera dos erros de marcação da defesa adversária, mais subidos, os franceses instalavam-se em terras vimaranenses.
No entanto, esse posicionamento deu mais espaços ao contra-ataque dos alas vitorianos. A equipa melhorou e Rafael Martins teve duas ocasiões para abrir o marcador. O Marselha criou também duas oportunidades por Njié e Sanson mais ambas equipas foram para o intervalo sem adiantaram-se.
Nessa pausa, Evra encontrou a maneira de ser expulso, numa altercação com um adepto, patético para um jogador da sua experiência.
O Marselha iniciou bem a segunda parte. Mais pressionante, com Luiz Gustavo a marcar terreno, a controlar o meio campo e o ritmo de jogo, os franceses exploravam novamente as alas, ganhavam duelos e procuravam profundidade. Os fócios eram perigosos mais não conseguiam definir bem nos últimos metros. Nessa fase, o Guimarães recuou, empurrado no seu meio campo. Como na primeira parte, foi no período de maior domínio territorial dos franceses que o Vitória começou a crescer.
A partir da hora de jogo, as ligações de jogo apareceram. Ao minuto 63', num contra ataque de 3 para 1, Rafael Martins decidiu ir sozinho e rematou forte na barra, ao minuto 68', Raphinha atirou sobre Mandanda. O jogo estava partido e o Vitória empolgado, Wakaso pressionava melhor, mais acima e Francisco Ramos começava a ter bola.
Ao invés, o Marselha tentava controlar com Sanson a baixar para receber a bola. Os jogadores do Vitória estavam atentos e determinados a não deixar os franceses avançar. A equipa parecia desgastada quando, depois de um centro perfeito de Heldon, Hurtado entrou de cabeça para o 1-0, deixando o estádio em delírio.
Depois do golo, o Marselha tentava atacar com mais impacto nos duelos e o jovem Kamara foi expulso por acumulação de amarelos. Com a vitória nas mãos, o Guimarães jogava com o relógio, sempre concentrado em travar a circulação de bola do adversário. Com cabeça e coração, os vimaranenses conseguiram assim um sucesso aliviante antes de receber o Benfica no domingo, confirmando também a incapacidade do Marselha de vencer em Portugal.