O burro que queria ser cavalo

O burro que queria ser cavalo - Football Explorer

Depois de ter analisado as grandes ligas europeias e ter mostrado as diferenças pontuais importantes entre os líderes dos campeonatos alemão, inglês, francês e espanhol; O campeonato italiano è una storia diversa...A Juventus hexacampeã está numa posição mais delicada, em segundo lugar, um ponto atrás do Nápoles. Será este o ano do burro napolitano?


Em 1926, o novo clube de Nápoles escolha como emblema il cavallo rampante, símbolo da cidade desde a Idade Média, antes de iniciar pela primeira vez o campeonato nacional. Uma competição que se tornou um pesadelo para os napolitanos, acabando a prova com um único ponto. Um jornal satírico da região comparou então o cavalo do emblema com um asno aleijado, alusão à história popular sobre o pobre vendedor de figo e o seu burro em mau estado.


No ano seguinte, o cavalo foi substituído pelo “N” que perdura até hoje, no entanto o burro ficou como símbolo do clube. Em 1930, depois de um empate contra a Juventus com sabor a vitória, um asno com um lenço azul foi levado a passear sobre o relvado, confirmando assim a ligação entre o clube e o animal do conto popular: « O'ciuccio 'e Fechella ». 54 anos mais tarde, Maradona assinava pelo Nápoles e revolucionava o clube. Graças ao seu talento, I Partenopei venceram dois campeonatos em 1987 e 1990, os primeiros da sua história, os únicos até o momento.


No passado recente, o clube aproximou-se sempre do título mas a Juventus foi intratável. Nesta presente temporada, antes do início da 21°jornada, a Juve continua atrás do Nápoles, como aconteceu há dois anos, e se Higuaín trocou de camisola, a equipa azzura ganhou em maturidade, em experiência, o plantel é praticamente o mesmo mas alguns jogadores despontaram.


Lorenzo Insigne confirma finalmente o seu potencial, o entendimento com Dries Mertens aperfeiçoou-se, no jogo curto como na aceleração, as qualidades técnicas deste duo fazem muitas vezes a diferença. Essa parceria que não ultrapassa o metro e setenta, vive numa dinâmica desconcertante, juntando mobilidade e rapidez de execução, utilizando Callejón para abrir espaços. A equipa de Maurizio Sarri é conduzida por um ataque de grande qualidade, o mais eficaz da Serie A até o momento. Hamsik acaba de superar o recorde de golos marcados pelo grande Diego, será esse o sinal que anuncia a viragem na hegemonia da Vecchia Signora?


Segundo o antigo provérbio italiano: “Quem nasceu burro não morre cavalo”, porém o animal ainda está presente no coração dos adeptos, esperando pacientemente o seu lenço azul e o passeio no relvado.